Atualize seu cadastro!

Para ter acesso à todos os serviços online, precisamos que seu cadastro esteja atualizado. Clique aqui

Semae conclui instalação de bomba e elevatória de esgoto do Santos Dumont volta à plena operação

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) concluiu, na quinta-feira (21/10), a substituição de uma bomba da Estação Elevatória de Esgoto da rua Tanzania, no Jardim Santos Dumont, e restabeleceu o pleno funcionamento da unidade. Há cerca de 20 dias, houve um problema no equipamento, que por ser específico, sem pronta entrega no mercado, foi substituído por uma bomba provisória, de menor potência, como medida paliativa para manter a estação em operação.

O equipamento original foi enviado a um serviço especializado, que avaliou a inviabilidade do conserto e a necessidade de compra de uma nova bomba.

“A instalação da bomba provisória, de menor potência, já seria suficiente para manter a operação normal da elevatória. A sobrecarga na rede ocorreu por conta dos dias de chuva, o que indica a ligação de drenagem de águas pluviais na rede de esgoto”, explica o engenheiro Rafael Regueiro, do Departamento de Operações do Sistema de Esgotamento Sanitário da autarquia.

O Semae reforça as orientações aos moradores para a correta separação dos sistemas de drenagem e de esgoto nas residências.

O aumento das chuvas nos períodos de fim e início de ano também eleva a necessidade de manutenção no sistema, devido ao acúmulo de terra que é levada pelas águas pluviais para dentro das tubulações. Nenhuma rede de esgoto está projetada para receber água da chuva.

O normal é que as calhas conduzam a água da chuva para as guias nas ruas, de onde segue para as bocas de lobo e galerias e, na sequência, até os córregos e rios da cidade.

Misturar as redes pode ocasionar vazamentos em tampões de rede de esgoto – visíveis nas ruas e avenidas após dias chuvosos – e entupimentos de tubulação.

Outro tipo de ocorrência comum é o retorno de esgoto para dentro das casas: isso acontece porque o volume de chuva que chega às tubulações de esgotamento é muito grande, superando a capacidade de vazão do sistema de esgoto e voltando para dentro das residências, causando transtornos aos moradores.

“Nesta época do ano, aumenta muito a demanda de manutenção por conta da água de chuva que enche a rede de terra, com a necessidade de hidrojateamento (limpeza com uso de jatos d’água)”, explica o diretor do Departamento de Operações do Sistema de Esgotamento Sanitário, Anderson Amorim.
 
Nas ações de reparo, são utilizados os caminhões combinados da autarquia, que fazem a sucção dos detritos acumulados na rede e o jateamento com água sob pressão, no interior dos canos.

Esta solução é apenas emergencial. Para resolver o problema de forma definitiva, é necessário que cada morador faça uma verificação do sistema de escoamento de água de sua residência.
 

Uso da rede
Outro problema muito recorrente é o lançamento de materiais sólidos no sistema de esgoto. É comum as equipes responsáveis pela manutenção retirarem das tubulações vários detritos como gordura solidificada, pedras, pedaços de madeira e de colchão, por exemplo. São materiais que jamais poderiam estar na tubulação de esgoto.

O resultado também são entupimentos e vazamentos que geram transtornos para a população, como retorno de esgoto para dentro dos imóveis, mau cheiro nas ruas e bloqueios no trânsito para os serviços de reparo, além de despesas para a autarquia devido ao deslocamento de funcionários e equipamentos.

“O mau uso da rede eleva muito o nosso custo operacional, pois aumenta a necessidade de limpeza das redes, das estações elevatórias, dos cestos de gradeamento, e amplia também o volume de esgoto enviado para tratamento na estação da Sabesp, em Suzano, com uma despesa maior, mas sem, necessariamente, ter mais esgoto tratado, já que o volume maior é devido à água da chuva misturada ao esgoto”, enfatiza o diretor.

Reforma triplicará capacidade de bombeamento de esgoto em estação do Semae em Jundiapeba

As obras de readequações estruturais e melhorias nos sistemas elétrico, hidráulico e mecânico da Estação Elevatória de Esgoto Indonésia, que estão sendo realizadas pelo Semae, chegam a 90% de execução. O investimento da autarquia, incluindo a construção de rede de recalque e muro de gabião, é de cerca de R$ 4,3 milhões. A reforma ampliará em quase três vezes a capacidade de bombeamento de esgoto: a vazão média passará dos atuais 50 litros por segundo para 140 litros por segundo, com capacidade máxima para até 270 litros por segundo (cinco vezes maior que a vazão atual). A elevatória é a principal unidade de bombeamento de esgotos de Jundiapeba.

Como já adotado em outras três elevatórias modernizadas (Dolores de Aquino, em Jundiapeba; Bambuzal, no Conjunto Toyama 2, e Oceania, no Jardim Aeroporto 2), o Semae passará a utilizar, na Indonésia, uma tecnologia inovadora para o bombeamento de efluentes, com bombas que ficam na superfície, facilitando a operação e a manutenção e melhorando as condições de salubridade e segurança.

Também está incluída na modernização a instalação de um triturador para evitar que materiais sólidos lançados na rede comprometam a operação, eliminando o lixo e partículas que poderiam interferir no funcionamento das bombas. As partículas são os materiais jogados de forma irregular no sistema de esgoto.

É comum as equipes responsáveis pela manutenção da rede retirarem das tubulações vários detritos como gordura solidificada, pedaços de madeira e de colchão, por exemplo. São materiais que jamais poderiam estar na tubulação de esgoto. O triturador é também uma alternativa à grade de retenção que tem de ser limpa constantemente para retirada de resíduos.

As estações elevatórias são estruturas importantes dentro do sistema de esgotamento sanitário. Elas fazem o bombeamento de esgoto de redes profundas para um nível mais alto. Já a linha de recalque é a tubulação que conduz os efluentes da elevatória até um ponto a partir do qual possa seguir por gravidade até uma unidade de tratamento.

Muro contra erosões
Além da reforma e modernização da estação, a autarquia também construiu no local um muro de proteção contra erosões para a tubulação que fará o encaminhamento do esgoto para tratamento. A estrutura é de gabião (malha de aço preenchida com pedras). O Semae já concluiu a primeira etapa e a fase final será licitada, num investimento previsto de R$ 389 mil.

Elevatória de água do Semae é contemplada com projeto de eficiência energética da EDP; medida trará economia

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) de Mogi das Cruzes foi contemplado com o Programa de Eficiência Energética da EDP, distribuidora de energia elétrica do Alto Tietê. A concessionária iniciou a modernização de equipamentos da estação elevatória de água da autarquia que abastece 3.997 unidades consumidoras na Vila Natal e 2.529 na Vila Oliveira. A medida resultará em economia do consumo de energia e redução dos custos de manutenção para o Semae. O investimento, por parte da EDP, é de aproximadamente R$ 622 mil.
 
De acordo com a concessionária, a implantação do projeto está em 30% de execução e a previsão é finalizá-lo em novembro. Serão substituídas três motobombas, equipamentos responsáveis pelo bombeamento da água tratada a partir do Reservatório Baixo 1 (RB1), localizado na Vila Natal, por equipamentos mais eficientes, econômicos e sustentáveis.

Com a instalação, será possível reduzir o consumo de energia da unidade em cerca de 270 megawatts-hora/ano (MWh/ano), o equivalente ao consumo médio anual de aproximadamente 113 famílias, gerando economia de recursos financeiros e menor impacto ao meio ambiente.

Haverá redução também nos custos de manutenção, uma vez que a durabilidade e tecnologia dos novos aparelhos é superior ao sistema atualmente utilizado. 

“O saneamento básico se tornou ainda mais essencial no cenário atual de pandemia e realizar este projeto de eficiência energética na estação de tratamento de água, que proporcionará economia e otimização de recursos ao município, e benefícios à população e meio ambiente, é de muita satisfação para a EDP”, ressalta Giuliano Vieira, gestor executivo da distribuidora.

O projeto foi contemplado na Chamada Pública de Projetos – CPP 001/2019 do Programa de Eficiência Energética da EDP, que é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

A concessionária afirma que realizar projetos que resultem em eficiência energética é uma ação que reafirma o compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – plano de ação global definido pelas Nações Unidas (ONU) para alcançar o desenvolvimento sustentável até 2030.

Semae e Prefeitura reforçam segurança e restabelecem abastecimento no Jardins do Paraíso

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), em parceria com a Secretaria Municipal de Segurança, reforçou a proteção na Estação Elevatória de Água do bairro Jardins do Paraíso, após uma série de atos de vandalismo e furtos na unidade, que provocaram recorrentes problemas de abastecimento no bairro, ao longo do mês de janeiro. Nesta segunda-feira (01/02), o loteamento segue com fornecimento de água normal para as cerca de 120 ligações.

O anúncio das melhorias foi feito pelo prefeito Caio Cunha, no domingo (31/01), durante transmissão em rede social, ao lado do vereador Marcos Furlan.

Por meio da Divisão de Tecnologia da Informação, o Semae instalou, no fim de semana, um sistema de monitoramento por alarme. Já a Divisão de Manutenção Civil está reforçando a estrutura da casa de bombas com concreto e grades metálicas.

A Guarda Municipal iniciou rondas preventivas durante todo o dia, e de forma mais intensa no período noturno.

“Faltou água durante vários dias devido ao furto na elevatória que abastece o bairro. Tomamos a iniciativa para solucionar o problema, numa ação integrada entre a Prefeitura e o Semae. Reforçamos a casa de bombas e instalamos monitoramento. Estamos à disposição para servir à população”, disse o prefeito.