Atualize seu cadastro!

Para ter acesso à todos os serviços online, precisamos que seu cadastro esteja atualizado. Clique aqui

Período de chuvas sobrecarrega sistema de esgoto e reforça necessidade de separação das redes

Em mais um período chuvoso, o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) reforça as orientações aos moradores para a correta separação dos sistemas de drenagem e de esgoto nas residências. Esta semana, as chuvas intensas provocaram sobrecarga na rede de esgotamento de Jundiapeba, o que causa transtornos como extravasamentos na rua. Nenhuma rede de esgoto está projetada para receber água pluvial. As tubulações, portanto, não podem “se misturar”.

O normal é que as calhas e os ralos do quintal conduzam a água da chuva para as guias nas ruas, de onde segue para as bocas de lobo e galerias e, na sequência, até os córregos e rios da cidade.

“As tubulações das casas que partem das calhas e dos ralos do quintal não podem ser ligadas no esgoto. Se isso acontecer, fatalmente vai provocar problema na rede de esgotamento, principalmente em dias de chuva intensa, e consequentemente transtornos ao Semae e aos próprios moradores”, explica Anderson Amorim, diretor do Departamento de Esgoto da autarquia.

“Com as chuvas fortes os últimos dias, tivemos muitos casos de rede cheia e extravasamento em Jundiapeba. O interceptor da Sabesp também ficou cheio e com pouca vazão. Entramos em contato com a empresa, que informou que as estações elevatórias estavam em pleno funcionamento. Se o bombeamento estava funcionando e a tubulação ficou cheia, é um sinal de água de chuva na rede de esgoto, o que ultrapassa a capacidade do sistema”, afirma o diretor.

O aumento das chuvas no início do ano também eleva a necessidade de manutenção no sistema de esgoto, devido ao acúmulo de terra que é levada pelas águas pluviais para dentro das tubulações.

Misturar as redes pode ocasionar vazamentos em tampões de rede de esgoto – visíveis nas ruas e avenidas após dias chuvosos – e entupimentos de tubulação.

Outro tipo de ocorrência comum é o retorno de esgoto para dentro das casas: isso acontece porque o volume de chuva que chega às tubulações de esgotamento é muito grande, superando a capacidade de vazão do sistema de esgoto e voltando para dentro das residências, causando transtornos aos moradores.

“Nesta época do ano, aumenta muito a demanda de manutenção por conta da água de chuva que enche a rede de terra, com a necessidade de hidrojateamento (limpeza com uso de jatos d’água)”, destaca Amorim.
 
Nas ações de reparo, são utilizados os caminhões combinados da autarquia, que fazem a sucção dos detritos acumulados na rede e o jateamento com água sob pressão, no interior dos canos.

Esta solução é apenas emergencial. Para resolver o problema de forma definitiva, é necessário que cada morador faça uma verificação do sistema de escoamento de água de sua residência.
 
Uso da rede
Outro problema muito recorrente é o lançamento de materiais sólidos no sistema de esgoto. É comum as equipes responsáveis pela manutenção retirarem das tubulações vários detritos como gordura solidificada, preservativos, fraldas, lenços umedecidos, pedaços de pano e excesso de papel higiênico, por exemplo. São materiais que jamais poderiam estar na tubulação de esgoto.

O resultado também são entupimentos e vazamentos que geram transtornos para a população, como retorno de esgoto para dentro dos imóveis, mau cheiro nas ruas e bloqueios no trânsito para os serviços de reparo, além de despesas para a autarquia devido ao deslocamento de funcionários e equipamentos.

“O mau uso da rede eleva muito o nosso custo operacional, pois aumenta a necessidade de limpeza das redes, das estações elevatórias e dos cestos de gradeamento (estruturas que bloqueiam a passagem do material sólido nas estações elevatórias e de tratamento)”, conclui o diretor.

Obra de esgoto interditará faixa da Mogi-Dutra no sábado (21) e no domingo (22)

Neste sábado (21/01) e domingo (22), o Semae fará uma obra de interligação de redes de esgoto na rodovia Mogi-Dutra, em frente ao posto de combustíveis Shell. No sábado, será necessário fechar uma faixa da pista sentido Arujá e, no domingo, uma faixa no sentido Mogi das Cruzes. Esta alternância foi definida de forma a não prejudicar o fluxo de motoristas na ida e retorno do litoral. Nos dois dias, o trabalho será realizado das 7h às 17h e os veículos poderão circular pela outra faixa da pista.

Obra de esgoto interditará trânsito na alameda Santo Ângelo e recuo de ônibus na Lourenço de Souza Franco

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) fará uma extensão de redes de esgoto num pequeno trecho da área central de Jundiapeba, e durante parte dos trabalhos, dos dias 23 a 25 de janeiro, será necessário interditar a alameda Santo Ângelo, entre a rua Dolores de Aquino e a avenida Lourenço de Souza Franco, que terá a faixa de recuo de ônibus fechada, no mesmo período. A autarquia explica que o objetivo da obra é melhorar o atendimento de coleta e tratamento de esgoto local.

Semae orienta para uso correto de caixa de inspeção de esgoto

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) orienta os moradores sobre a forma correta de manter as caixas de inspeção de esgoto, que são aquelas estruturas de alvenaria/concreto instaladas geralmente nas calçadas, e que facilitam o acesso à tubulação para limpeza e desobstrução. O Regulamento Geral da autarquia (decreto 17.576/2018) estabelece as normas para construção e manutenção do dispositivo – trabalhos que são de responsabilidade do morador. Uma das principais regras é que as caixas devem ser mantidas com tampas não lacradas.

O artigo 71 do regulamento detalha que as caixas de inspeção, também chamadas de Terminal de Inspeção e Limpeza (TIL), devem ter tampas com fecho hermético (totalmente fechado), mas sem qualquer impedimento para eventuais manutenções e no mesmo nível do passeio público. As tampas, caso estejam lacradas, devem ser abertas pelos proprietários.

Muitas vezes, as equipes de fiscalização e manutenção do Semae têm dificuldade para realizar seu trabalho pelo fato de as tampas estarem lacradas.

“Entre outros problemas, a caixa de inspeção lacrada impede a visualização das condições do dispositivo e atrasa a solução do problema, já que a equipe tem de retornar em outro dia, quando o morador tiver providenciado a abertura da tampa”, afirma o encarregado Aldemir Matos, que atua no Departamento de Operações do Sistema de Esgotamento Sanitário da autarquia.

“A caixa de inspeção, quando não está lacrada, facilita a vida do próprio morador, que pode identificar problemas de entupimento na rede interna do imóvel. Por exemplo: se o esgoto estiver retornando pelo vaso sanitário e a caixa de inspeção estiver seca, é um indicativo de que a obstrução está na tubulação do imóvel e não na rede da rua”, exemplifica o encarregado.

O fiscal Solano Primo Bentos, que no dia a dia se depara com o problema de tampas lacradas nos imóveis, conta que há situações em que o morador não está na casa e é necessário fazer várias tentativas para localizar o responsável pelo imóvel.

“A caixa de inspeção correta traz segurança para o usuário (morador). Num caso de entupimento na rede do Semae, por exemplo, se a caixa de inspeção não estiver lacrada, como deve ser, o esgoto extravasa na tampa, até que façamos a desobstrução. Este vazamento na calçada não deixa de ser um incômodo, mas com um impacto muito menor do que o retorno para dentro do imóvel, o que pode ocorrer se a tampa estiver lacrada”, exemplifica o diretor do Departamento, Anderson Amorim.

O Semae prioriza o trabalho de orientação, mas manter a tampa lacrada pode levar a multas previstas no regulamento: 10 Unidades Fiscais do Município (UFMs) para residências, 20 UFMs para clientes comerciais e 50 UFM para instalações industriais.

O valor da UFM em 2023 é de R$ 222,54.

Interligações e extensões de redes ampliam tratamento de esgoto

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) concluiu interligações de redes e pequenas extensões para envio de esgoto para tratamento. O trabalho foi feito em locais que já contavam com rede de coleta e afastamento. As obras atendem a 3.063 unidades familiares, nos bairros Vila Suíssa (1.470), Vila Jundiaí (1.225), Jundiapeba (194) e Rodeio (174). Os efluentes desses imóveis passaram a ser enviados para as estações de tratamento do próprio Semae (ETE Leste, em Cezar de Souza), e da Sabesp, em Suzano.

“Com isso, nós ampliamos em 2 pontos percentuais o índice de tratamento de esgoto na cidade, passando de 64% para 66%. Pode parecer pouco, mas isso representa mais de 900 mil litros de esgotos por dia que deixam de ser lançados em rios e córregos, ou 335 milhões de litros por ano”, explica o diretor do Departamento de Operações do Sistema de Esgoto da autarquia, Anderson Amorim.

As obras foram realizadas com materiais e mão de obra próprios do Semae.
 

Mais investimento
A autarquia segue com outras obras para melhorar os índices de coleta e tratamento de esgoto na cidade. Está em andamento a implantação do sistema de coleta e tratamento no Parque das Varinhas. O investimento será de R$ 11,8 milhões e beneficiará quase 3 mil moradores do bairro, que fica no distrito de Jundiapeba. Do total investido, R$ 10,5 milhões são recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), após aprovação de projeto elaborado pelo Semae, e mais R$ 1,3 milhão da própria autarquia, como contrapartida.

O projeto prevê a implantação de aproximadamente 11,4 quilômetros de redes coletoras; 164 poços de visita; 127 poços de inspeção e 4 estações elevatórias (bombeamento) de esgoto, beneficiando 2.800 pessoas – mas a estrutura terá capacidade para atender até 5 mil moradores.

O sistema também terá 2,8 quilômetros de rede de recalque (tubulação que conduz os efluentes da elevatória até um ponto a partir do qual possa seguir por gravidade até uma unidade de tratamento); 3,4 quilômetros de coletor-tronco; 502 ramais de ligação e 49 sistemas individuais de tratamento de esgotos.

O complexo será interligado à elevatória do Jardim Santos Dumont III, de onde o esgoto será encaminhado para tratamento na estação da Sabesp, em Suzano. O prazo previsto para as obras é dois anos.

Obra de esgoto interditará parcialmente rotatória da Via Perimetral, no domingo (29/05)

No próximo domingo (29/05), o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) fará uma obra para melhorias no sistema de coleta e tratamento de esgoto do Jardim Maricá, que atenderá 118 residências localizadas nas proximidades da avenida Antônio de Almeida. Para realizar o trabalho, será necessário interditar parcialmente a rotatória da Via Perimetral com a Antônio de Almeida, das 8h às 18h. O serviço foi programado para o domingo por ser um dia de tráfego menos intenso no local.

No horário de interdição, no sentido Cezar de Souza, motoristas de ônibus e carros de passeio que estiverem na Perimetral poderão fazer o caminho normal. Para caminhões, haverá desvio pelas avenidas Antônio de Almeida e Francisco Rodrigues Filho.

Já os motoristas que estiverem na avenida Antônio de Almeida, no sentido do Jardim Maricá, deverão desviar pela avenida Waldemar Costa Filho, rua Carlos Baratino, avenida Prefeito Carlos Ferreira Lopes e Via Perimetral, de onde seguirá o caminho normal.

Manutenção em coletor de esgotos interditará trecho da Cabo Diogo, nesta terça (26)

Nesta terça-feira (26/04), o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) fará uma manutenção emergencial no coletor de esgotos da rua Cabo Diogo Oliver. O trabalho exigirá a interdição da via, no trecho entre as ruas Casarejos e Salvador Cabral, no período das 8h às 22h.

No sentido bairro-centro, os ônibus das linhas E805, E892, E893, E894, E895 e E896 terão desvio de itinerário pela rua Casarejos, avenida José Moreira Filho, avenida Francisco Rodrigues Filho e rua Dr. Deodato Wertheimer, voltando para a Cabo Diogo Oliver, de onde seguirá o trajeto regular.

Os veículos menores poderão seguir pela rua Casarejos e desviar pela rua Fidalgo, para acesso à Salvador Cabral, ou pela rua José Alves dos Anjos, que possibilita o acesso à Américo Rodrigues.

No sentido centro-bairro, não serão necessários desvios ou alterações no itinerário das linhas de ônibus ou no trânsito de veículos.

Semae ampliará rede de esgoto na Vila Andrade, em Sabaúna

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) iniciou, nesta segunda-feira (28/03), uma extensão da rede de esgoto na Vila Andrade, em Sabaúna, para melhorias no sistema de coleta e tratamento do bairro. Serão 110 metros de rede, implantados na rua Capitão Francisco de Mello Souza. O trabalho exigirá a interdição da via, no período das 8h às 15h. A previsão é de que a obra seja concluída em duas semanas.

O sistema de esgotamento sanitário na Vila Andrade foi inaugurado em 2020, com a entrega da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). O Semae investiu R$ 3,2 milhões na construção da estação e na instalação de 900 metros de rede e três estações de bombeamento, na área central do distrito. A estrutura atende 4 mil pessoas.

A ETE trata 3,5 litros de esgoto por segundo, mas tem capacidade para até 9 litros por segundo.

O sistema de esgotamento integra um conjunto de ações de saneamento em Sabaúna. Em 2017, o Semae concluiu a implantação de uma adutora, o que melhorou as condições de abastecimento no distrito.

Semae finaliza reparo em rede de esgoto no centro

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) concluiu, na madrugada desta quinta-feira (22/07), a manutenção na rede de esgotos da avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, na altura do cruzamento com a rua Braz Cubas, no Centro. O reparo foi necessário devido a uma obstrução na tubulação e consequente vazamento. Um dos prováveis motivos foi excesso de gordura na rede, identificado pela equipe.

A finalização dos trabalhos ocorreu no período noturno pelo fato de o cruzamento ser um local de grande fluxo de veículos e pedestres e devido à complexidade do serviço, que necessitou de caminhão hidrojato – equipamento que faz o jateamento de água sob pressão para limpeza.

A autarquia pede a colaboração de proprietários de estabelecimentos que trabalham com alimentos, como restaurantes e lanchonetes, para que instalem caixas para retenção de gordura e evitem o lançamento irregular no sistema. Também é necessário manter em dia a inspeção e manutenção dessas caixas.

Além de gordura, é comum as equipes responsáveis pela manutenção retirarem das tubulações de esgoto vários detritos como pedras, pedaços de madeira e de colchão, por exemplo. São materiais que jamais poderiam estar na tubulação de esgoto.

O resultado são entupimentos e vazamentos que geram transtornos para a população, como retorno de esgoto para dentro dos imóveis, mau cheiro nas ruas e bloqueios no trânsito para os serviços de reparo, além de despesas para a autarquia devido ao deslocamento de funcionários e equipamentos.

O Semae atua de forma significativa em manutenções relacionadas a casos desse tipo. São utilizados nessas ações os caminhões combinados, que fazem a sucção dos detritos acumulados na rede e o jateamento com água sob pressão no interior da tubulação.

Dúvidas e informações sobre a instalação de caixas de gordura podem ser obtidas pelo telefone 115 ou pelo Whatsapp (11) 99915-5145.

Autarquia identifica problema na rede de esgoto do centro e realiza reparo emergencial

O Semae identificou, na manhã desta quarta-feira (21/07), um problema na rede de esgoto na avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, na altura do cruzamento com a rua Braz Cubas, no centro. As equipes de manutenção da autarquia já estão no local para realizar os reparos necessários. A área está sinalizada. O setor informa que a finalização dos trabalhos terá de ser no período noturno, pelo fato de o cruzamento ser um local de grande fluxo de veículos e pedestres e devido à complexidade do serviço, que necessitará do uso de caminhão hidrojato – equipamento que faz o jateamento de água sob pressão para limpeza.