Atualize seu cadastro!

Para ter acesso à todos os serviços online, precisamos que seu cadastro esteja atualizado. Clique aqui

Semae propõe repasse do índice da Sabesp na tarifa municipal, que segue a menor da região

As faturas de água e esgoto do Semae terão um realinhamento de 12,8% nos valores. A autarquia propôs à Prefeitura repassar o índice de correção que já é aplicado pela Sabesp desde maio deste ano e que foi aprovado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp). A Prefeitura vai seguir a decisão técnica do Semae – mesmo com o reajuste, os valores pagos pelos mogianos continuam sendo os mais baratos de todo o Alto Tietê.

O reajuste dos valores começará a incidir nas faturas geradas a partir da segunda quinzena de agosto – cujas datas de vencimento têm início a partir do mês de setembro. Dependendo do setor de leitura, o valor reajustado virá apenas na conta de outubro.

A atualização também é necessária para manter o equilíbrio financeiro da autarquia. De janeiro a junho de 2022, os preços dos principais insumos utilizados para tratamento de água e esgoto tiveram um aumento de mais de 30%, na comparação com o mesmo período de 2021.

Este percentual refere-se à média geral de todos os reajustes. Em alguns casos específicos, os aumentos foram bem mais impactantes. Um produto químico, por exemplo, teve reajuste maior que 300%. Tudo isso impacta diretamente o volume de custos ligados à captação, tratamento e distribuição da água consumida pelos mogianos.

De janeiro a junho do ano passado, foram destinados R$ 4.886.956,80 para custear os produtos químicos empregados no tratamento da água distribuída e do esgoto coletado. No mesmo período de 2022, a despesa foi de R$ 6.410.917,69, um volume de R$ 1.523.960,89 a mais que nos primeiros seis meses de 2021.

As despesas com energia elétrica cresceram 40,60% no primeiro semestre de 2022, também em comparação a igual período de 2021. Já os gastos com combustíveis subiram 55,83%.

Sem o realinhamento da tarifa, a estimativa do Semae era de um déficit de aproximadamente R$ 17 milhões em suas contas em 2022, o que compromete a prestação de serviços e os investimentos.

Também é preciso lembrar que, da água distribuída em Mogi das Cruzes pelo Semae, 60% são produção própria da autarquia, a partir da captação no Rio Tietê, e 40% são comprados da Sabesp – só no primeiro semestre deste ano, o custo para aquisição de água da estatal foi de R$ 23.186.324,09.

Menor tarifa do Alto Tietê
Mesmo com a realinhamento da tarifa, o cliente residencial que ocupa a primeira faixa de consumo (que vai até 10 mil litros de água por mês) pagará uma conta 41% menor que a cobrada nas demais cidades do Alto Tietê, considerando a mesma categoria e volume consumido.

Nesta faixa de consumo, que concentra mais da metade (55%) da população do município, a atualização da conta representará R$ 5,27 a mais, passando de R$ 41,14 para R$ 46,41 (água e esgoto). Nos outros municípios da região, na mesma faixa de consumo e também na categoria residencial, a tarifa praticada é de R$ 65,44.

Também considerando esta faixa de consumo, a tarifa de R$ 46,41, já reajustada, é menor até que a fatura que já vinha sendo cobrada nas demais cidades do Alto Tietê mesmo antes da correção de 2022 aplicada pela Sabesp – o valor cobrado era de R$ 58,00.

Além disso, diferentemente de Mogi das Cruzes, nas outras cidades da região a tarifa de água e esgoto foi reajustada três vezes de 2020 para cá (ocorreram correções em 2020, 2021 e 2022). Em Mogi, não houve reajuste em 2020, apenas em 2021 e agora, em 2022.

“A tarifa cobrada pelo Semae já era a menor da região. Com o reajuste da Sabesp, em maio, a diferença ficou ainda maior. E mesmo com a atualização que vamos implementar agora, o valor pago pelos mogianos continua sendo bem inferior, sendo que os desafios e os custos do saneamento são os mesmos”, afirma o diretor-geral do Semae, João Jorge da Costa.

“Portanto, é urgente a necessidade que temos de corrigir os valores das tarifas de água e esgoto para manter o equilíbrio financeiro da autarquia, ampliar e melhorar os serviços prestados e, sobretudo, realizar novas obras e investimentos para atingir as metas exigidas pelo Novo Marco do Saneamento”, completa o diretor.

O Semae fornece água a 99% do território urbano de Mogi das Cruzes. Quanto ao esgoto, coleta 94% e trata 64% do coletado.

Investimentos
A autarquia vem trabalhando para melhorar continuamente esses índices. Recentemente, foram concluídos a ampliação do abastecimento de água nas Chácaras Guanabara, a setorização e modernização do abastecimento na região leste da cidade e o sistema de esgotamento sanitário do Botujuru e parte de Cezar de Souza.

Está em andamento a reforma de filtros na Estação de Tratamento de Água (ETA) Centro, que é a primeira etapa de modernização do processo de tratamento da água. O investimento é de R$ 3,9 milhões.

A Prefeitura está ampliando a capacidade da Estação de Tratamento de Esgoto Leste, localizada ao lado do Parque Centenário, num investimento de R$ 32,6 milhões, com financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

O Semae também está ampliando a automação, telemetria (controle das unidades de abastecimento por comunicação sem fio) e telesupervisão, com foco em coleta de dados para controle e redução de perdas de água no sistema de distribuição. O investimento é de R$ 3 milhões, com recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos – Fehidro.

Também com verba do Fehidro, a autarquia está prestes a iniciar mais duas obras: a implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário no Parque das Varinhas (investimento de R$ 11,8 milhões) e a construção de coletor-tronco de esgotos Parque da Cidade (R$ 846 mil).


– Reajustes dos insumos para tratamento de água e esgoto
De janeiro a junho de 2022, os insumos utilizados para tratamento de água e esgoto tiveram um aumento de mais de 30% em comparação com o mesmo período de 2021. Este percentual refere-se à média geral de todos os reajustes. Em alguns casos específicos, os aumentos foram bem mais impactantes. Um produto químico, por exemplo, teve reajuste maior que 300%. Tudo isso impacta diretamente o volume de custos ligados à captação, tratamento e distribuição da água consumida pelos mogianos.

As despesas com energia elétrica cresceram 40,60% no primeiro semestre de 2022, também em comparação a igual período de 2021. Já os gastos com combustíveis subiram 55,83%.


– Despesas com produtos químicos para tratamento de água e esgoto
Janeiro a junho de 2021: R$ 4.886.956,80
Janeiro a junho de 2022: R$ 6.410.917,69
Um aumento de R$ 1.523.960,89 nas despesas, apenas nos primeiros seis meses do ano.


– Obras

Recém-concluídas:
– Ampliação do abastecimento de água na Chácara Guanabara
– Setorização e modernização do abastecimento na região leste da cidade
– Sistema de esgotamento sanitário do Botujuru e parte de Cezar de Souza

Em andamento:
– Reforma de filtros na Estação de Tratamento de Água (ETA) Centro – primeira etapa de modernização do processo de tratamento da água (investimento de R$ 3,9 milhões)
– Ampliação da capacidade da Estação de Tratamento de Esgoto Leste, localizada ao lado do Parque Centenário (investimento de R$ 32,6 milhões, com financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina – CAF)
– Ampliação da automação, telemetria (controle das unidades de abastecimento por comunicação sem fio) e telesupervisão, com foco em coleta de dados para controle e redução de perdas de água no sistema de distribuição (investimento de R$ 3 milhões, com recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos – Fehidro)


Para iniciar:
– Implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário no Parque das Varinhas (investimento de R$ 11,8 milhões, com recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos – Fehidro).
– Construção de coletor-tronco de esgotos Parque da Cidade (investimento de R$ 846 mil, com recursos do Fehidro).

Mogianos podem fazer doações à Santa Casa por meio da conta do Semae

O Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) retoma o incentivo aos mogianos para ajudarem a Santa Casa da cidade com doações mensais por meio da conta de água. A ajuda pode ser de R$ 1, R$ 3, R$ 5, R$ 10, ou qualquer quantia acima dessas, a critério do doador. De acordo com um levantamento da Controladoria Interna da autarquia, os valores doados vêm caindo ano a ano, recuando de R$ 60,4 mil em 2016 para R$ 53,3 mil no ano passado.

“Há muitos anos, o Semae possibilita que o consumidor que quiser fazer algum tipo de doação à Santa Casa, para ajudar o hospital a manter suas atividades, possa realizá-lo por meio das contas da autarquia”, afirma o diretor-geral do Semae, João Jorge da Costa.

“Para isso, basta que o consumidor entre em contato conosco e informe que gostaria que a autarquia, todo mês, computasse em sua fatura de água o valor que ela quiser que seja debitado mensalmente e que será revertido à Santa Casa”, explica.

A doação é feita a partir do primeiro mês após a confirmação da adesão do cliente.

Quem tiver interesse em colaborar deve procurar o serviço do Semae em qualquer Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC), preencher um questionário e assinar o termo de doação. É necessário ser o titular da conta, estar com uma conta de água em mãos e apresentar documento com foto e CPF. Para atendimento, a autarquia recomenda o agendamento prévio, por meio do link agendamentopac.pmmc.com.br.

O PAC tem três unidades: no prédio sede da Prefeitura (avenida Vereador Narciso Yague Guimarães, 277- Centro Cívico), em Braz Cubas (rua Capitão Francisco de Almeida, 47) e no Centro Integrado de Cidadania (CIC) de Jundiapeba (alameda Santo Ângelo, 688). O horário de funcionamento é das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira.
 

Débito automático
O Semae também recomenda aos consumidores que coloquem suas contas de água e esgoto em débito automático na conta corrente, para que as faturas sejam pagas no dia do vencimento, sem o risco de esquecimento.

Para realizar esse procedimento, o consumidor deve procurar o banco no qual possui conta e cadastrar a fatura em débito automático.

Clientes do Semae podem fazer doações à Santa Casa por meio da conta de água

Com o anúncio da redução de R$ 1 milhão por ano no repasse do Governo do Estado à Santa Casa de Mogi das Cruzes, o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) retoma o incentivo aos clientes da autarquia para ajudarem o hospital com doações mensais cobradas na conta de água. A ajuda pode ser de R$ 1, R$ 3, R$ 5, R$ 10, ou qualquer quantia acima dessas, a critério do doador.

Quem tiver interesse em colaborar deve procurar o serviço do Semae em qualquer Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC), preencher um questionário e assinar o termo de doação. É necessário ser o titular da conta e apresentar documento com foto e CPF.

A doação é feita a partir do primeiro mês após a confirmação da adesão do cliente.

O PAC tem três unidades: prédio sede da Prefeitura (avenida Vereador Narciso Yague Guimarães, 277- Centro Cívico), em Braz Cubas (rua Capitão Francisco de Almeida, 47) e no Centro Integrado de Cidadania, em Jundiapeba (Alameda Santo Ângelo, s/nº). O horário de funcionamento é das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira.

Aplicativo
Quem quiser colaborar com entidades que prestam serviços sociais em Mogi das Cruzes podem doar créditos do programa Nota Fiscal Paulista de suas compras por meio do aplicativo Soulcial, desenvolvido por uma startup incubada no Polo Digital, da Prefeitura. Neste mês de janeiro, uma ação especial está sendo realizada para ajudar a Santa Casa da cidade.

Para participar, é preciso fazer o download do aplicativo gratuitamente nas lojas dos sistemas de smartphones. Ao fazer suas compras, a pessoa deve pedir o cupom fiscal sem informar o CPF. Depois disso, com a câmera do celular, fazer a leitura do QR Code do cupom e escolher a entidade para a qual a doação será encaminhada. Até o final do mês, quem escolher a Santa Casa de Mogi das Cruzes participará de uma ação especial. O link para a ação é o doe.soulcial.com.br/santacasa

Os consumidores que fizerem mais doações para a Santa Casa receberão prêmios, em uma parceria com o Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região (Sincomercio). A ação acontecerá até o dia 30 de janeiro.