Atualize seu cadastro!

Para ter acesso à todos os serviços online, precisamos que seu cadastro esteja atualizado. Clique aqui

Mogi tem 44º melhor serviço de saneamento entre as 100 maiores cidades, aponta ranking

24 mar 2021

Mogi tem 44º melhor serviço de saneamento entre as 100 maiores cidades, aponta ranking

Para melhorar de forma constante os índices, o Semae vem investindo na melhoria e ampliação dos serviços de saneamento (Foto: Julio Nogueira/Semae)

Mogi das Cruzes tem o 44º melhor serviço de saneamento entre as 100 maiores cidades brasileiras. É o que mostra o Ranking de Saneamento 2021, elaborado pelo Instituto Trata Brasil, em parceria com a GO Associados e divulgado esta semana. O município registrou indicadores melhores que 16 capitais, como Vitória (48ª posição), Aracajú (56ª) e Cuiabá (60ª), e de cidades maiores e mais ricas, como Osasco (46ª) e São Bernardo do Campo (55ª). Mogi também avançou nove posições (estava em 53º lugar no Ranking 2020).

O estudo tem como base os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), com a situação dos serviços de água e esgoto no Brasil em 2019. O levantamento anual avalia os indicadores de acesso à água potável, coleta e tratamento dos esgotos nos cem maiores municípios do país.

Para melhorar de forma constante os índices, o Semae vem investindo na melhoria e ampliação dos serviços de saneamento. Na área de abastecimento de água, o destaque é a Setorização da Região Leste, que é uma divisão de uma grande área de distribuição em sistemas menores para aperfeiçoar o fornecimento de água, agilizar manutenções e diminuir perdas.

Os bairros são os atendidos pela Estação de Tratamento de Água (ETA) do Socorro, e vão de Sabaúna à Vila Oroxó, passando por Botujuru, todo distrito de Cezar de Souza, Jardim Maricá, Ponte Grande, Jardim Aracy e Itapety, ao longo da margem direita do rio Tietê. O investimento total previsto nas obras de setorização da região leste é de R$ 6,7 milhões.

Na área de coleta e tratamento de esgoto, entre os principais investimentos estão as obras de esgotamento sanitário do Botujuru e parte de Cezar de Souza, com investimento de R$ 37,3 milhões, e de esgotamento sanitário em Jundiapeba (R$ 9,5 milhões).

A duas obras são gerenciadas pela Prefeitura e, após a conclusão, o Semae assumirá a operação dos sistemas. Também em Jundiapeba, a autarquia investe R$ 4,3 milhões na reforma e modernização da Estação Elevatória de Esgoto Indonésia, que ampliará a capacidade de bombeamento/tratamento de esgoto no distrito.

“São investimentos pesados, que muitas vezes não aparecem (visualmente), mas fazem toda a diferença para a saúde e conforto da população, com garantia de abastecimento de água e esgoto coletado e tratado”, afirma o diretor-geral do Semae, Marcelo Vendramini.

Para o prefeito Caio Cunha, além de atender a necessidades fundamentais dos munícipes, o saneamento ambiental expande um direito social. “O saneamento, pensado e desenvolvido de forma estratégica, proporciona um crescimento sustentável e não esgota recursos para o futuro de nossa cidade.”